Alan Walker - Faded

"Um sucesso de música, show de bola a música e o clipe. Fantástico!" (Thiago José)

Comparamos 3 TVs top de linha; juntas, elas valem mais que um carro

Telas grandes, definição Ultra HD 4K; sem dúvida, o que há de melhor na categoria disponível no mercado brasileiro. Mais caro também – somadas, as três peças ultrapassam os 50 mil reais. Testamos e comparamos o que LG, Samsung e Sony têm de melhor. Na nossa mesa de testes: a LG OLED 4K, de 55 polegadas; Samsung Ultra HD JS9000 Série 9 Curva também de 55 polegadas; e a Sony Ultra HD 4K X90C, de 65 polegadas... é hora de comparar.

DESIGN

As três são muito bonitas, mas detalhes fazem diferença. O design da LG é bastante clean: bordas metálicas finas e uma leve curvatura no display. O modelo tem apenas 5,9 milímetros de espessura na parte superior. A base é mais simples; uma grande placa de plástico metalizada. A Samsung apresenta uma curvatura um pouco maior, mas é bem mais grossa. A borda já é mais larga e se destaca como uma grande moldura da tela. Interessante é que as telas curvas apresentaram maior conforto, menor distorção e menos reflexos; independente do ponto que você esteja no ambiente. O suporte da Samsung apresenta um design mais moderno – todo em metal, super estilizado e elegante em forma de “V”.

A mais clássica, mas também mais elegante e imponente, não só pelo tamanho, é o modelo da Sony. Ela praticamente não tem borda, apenas um mínimo contorno metálico preto que desaparece quando a TV está ligada. O suporte é menor: dois pés com acabamento em metal escovado. A espessura da parte superior é até menor que a da LG – apenas 4,9 milímetros. Ainda que design seja questão de gosto, na nossa opinião, os japoneses da Sony acertaram no minimalismo.

CONEXÕES

Mais do que uma comparação, uma constatação. Todos modelos top de linha, cada uma traz quatro saídas HDMI, outras três USB, entradas de áudio analógico e digital e vídeo, além da conexão de cabo de rede e Wi-Fi. Os três modelos são Smart TVs, cada uma com seu sistema operacional e loja de aplicativos, mas é importante pensar que foram todas desenvolvidas para serem conectadas diretamente à internet. Elas também têm a função 3D…mas, será que alguém ainda usa?!

SISTEMA OPERACIONAL

Três TVs; três sistemas operacionais diferentes. O modelo da Samsung usa a plataforma Tizen; desenvolvida pela própria marca. A interface do sistema permite que você acesse a plataforma Smart sem ter que sair do que está assistindo; com apenas um clique, o conteúdo mais recente e até algumas sugestões personalizadas são exibidas na parte inferior da tela. O uso é bastante intuitivo. A loja de aplicativos traz uma série de apps interessantes. A plataforma da Samsung também permite navegar com buscas por comando de voz feitas diretamente pelo controle remoto. Mas.... comparado com os outros modelos, o sistema operacional da Samsung é o mais lento.

A Sony é uma Android TV. A Google Play Store é o ponto forte. Há uma infinidade de aplicativos; sem dúvida a maior quantidade das três rivais. No modelo Sony, também é possível fazer buscas por comando de voz. O que incomoda bastante no sistema operacional do Google para TVs é que, para acessar a plataforma conectada, você precisa sair do conteúdo que estava assistindo – diferente das outras duas que ocupam apenas a parte inferior da tela.

Apesar de já ter sido lançada há algum tempo, a plataforma WebOS 2.0 da LG ainda é a que chama mais atenção. Não necessariamente pela quantidade de aplicativos, mas pela praticidade, facilidade de uso e, principalmente, rapidez. É, sem dúvida, o mais leve dos três sistemas operacionais testados aqui hoje. Nele é possível incluir até seus canais de TV favoritos na barra inferior de navegação junto com seus aplicativos preferidos. A função multitarefa é muito legal: é possível mudar de conteúdo como estamos acostumados a trocar de canal, praticamente instantâneo e sem interromper o que já está rolando na tela. Vitória da LG em um quesito importante quando o assunto é Smart TV.

CONTROLES REMOTOS

Os controles já não são mais aqueles cheios de botões que faziam a gente ficar “catando milho”. As TVs da Samsung e Sony ainda trazem o controle remoto tradicional como segunda opção, para atender aos consumidores mais conservadores. Mas o controle principal é muito mais prático! Todos os controles menores trazem microfone embutido para buscas por comando de voz – e funcionam muito bem. O controle remoto da Samsung é o “point and shoot”, um formato simples e fácil de se adaptar.

O controle menor da Sony também é bem interessante. Ele tem um espaço onde - com um simples deslizar dos dedos -, você tem acesso a diferentes conteúdos na parte inferior da tela. A navegação se assemelha muito à dos notebooks e, assim, também fica prática e objetiva.

A exemplo do modelo da Samsung, o controle da TV LG funciona apontando para a tela; esses modelos chamam mais atenção pela nova forma de interação com a TV. Neste quesito, o mais justo é decretar um grande empate entre as três rivais e seus novos controles remotos. Claro, para usar os dispositivos novos, é preciso certa adaptação. Mas é muito mais fácil do que ficar caçando teclas... pode apostar.

ÁUDIO

Normalmente, quem compra um aparelho deste porte – e deste valor – usa também um bom home theater. Mas, nós avaliamos o áudio de cada um dos televisores. Os três impressionam pela qualidade sonora. O LG oferece um som sem qualquer distorção; a assinatura dos falantes é Harman/Kardon, que dispensa comentários. São 20 Watts RMS de potência. Mesmo com o volume no limite, não há distorção. A única coisa que a gente sentiu falta foram graves mais potentes.

A qualidade do modelo da Sony é equivalente, mas um pouco mais potente: são quatro falantes de sete watts e meio... potência total de 30 Watts RMS. O grave da Sony também deixou um pouco a desejar e, mais do que isso, com o volume no máximo, a gente já consegue notar certa distorção do áudio.

Com 60 Watts de potência RMS, incluindo dois subwoofers de 10 Watts cada, tecnologia DTS 5.1, o som da Samsung é o mais poderoso e envolvente dos três. Mesmo com o volume levado ao extremo não notamos qualquer distorção ou som estourado. No quesito áudio, todas as marcas estão muito bem representadas, mas é fácil notar a superioridade dos coreanos da Samsung que levam mais essa disputa.

IMAGEM

Esta foi uma comparação bastante difícil de ser feita. Começamos avaliando os modelos um a um. A resolução Ultra HD 4K impressiona em todos os casos – a definição é incrível. Quando a gente volta um pouco atrás e exibe imagens Full HD nessas TV - apesar de o sistema de up-scaling funcionar super bem -, dá para sacar que, realmente, o 4K faz diferença. Qualquer um fica mais exigente na frente de uma tela dessas. Para uma comparação mais justa, colocamos as três TVs literalmente lado a lado. Baixamos o mesmo vídeo em qualidade 4K e colocamos para rodar simultaneamente em todos os aparelhos. Também equalizamos as configurações deixando o mais próximo possível uma da outra em questão de contraste, brilho, saturação...

A Sony chama ainda mais atenção pelo tamanho. A tela de LED mantém a tradição da marca japonesa e exibe imagens com alto contraste e ótimo nível de preto. O modelo da Sony também foi o que apresentou maior brilho – mas isso nem sempre é a melhor coisa; neste caso, a imagem ficou um pouco saturada demais em algumas ocasiões.

A Samsung e sua tecnologia Quantum Dots, ou “pontos quânticos”, utiliza nanocristais para emitir cores mais reais quando ativados. É uma aposta solitária da Samsung para dar uma sobrevida ao popular LCD. Na prática, o que vimos foi uma imagem mais equilibrada que, arriscaríamos dizer, se aproxima de um HDR – com muita informação tanto em áreas de alta quanto baixa luminosidade. Lembra bastante cinema. Por outro lado, é uma imagem menos brilhante e menos saturada. Pode ser questão de gosto também, mas ao lado das outras, ela perde um pouco seu glamour e impacto.

A imagem que realmente surpreendeu neste Laboratório Digital foi a da LG OLED 4K. Ela se sobressaiu em todos os quesitos: ótimo e alto brilho, alto contraste, cores vívidas e brilhantes e, acima de tudo, um nível de preto incrível que só ela foi capaz de reproduzir. Como no OLED, cada pixel se auto ilumina, na hora do preto, eles simplesmente apagam! Sem sombra de dúvidas, a melhor imagem! Ponto para a LG; mas aqui, vale uma ressalva importante. Se tivéssemos comparados as TVs sem coloca-las assim, juntas, ao mesmo tempo, seria impossível chegar nesses detalhes. Se a decisão fosse somente pelo o que os nossos olhos enxergam, o quesito imagem seria mais um grande empate técnico. Com qualquer uma dessas na sala, você certamente ficaria hipnotizado pela qualidade Ultra HD.

PREÇO

Não se assuste; desde o primeiro momento deixamos bem claro, essas são TVs top de linha - lançamentos das principais marcas do mercado. Ou seja, são beeeem caras. Os preços são praticamente equivalentes: A Sony, em promoção, custa R$ 16 mil; o modelo da LG OLED 4K vale R$ 17 mil; e a Samsung Ultra HD é vendida por R$ 18 mil.

CONCLUSÃO

É muito difícil dizer qual TV é melhor quando se está diante de equipamentos tão modernos e completos. De início, a resolução Ultra HD 4K impressiona em qualquer uma das telas - a definição salta aos olhos. As telas curvas, como dissemos no início, saem na frente com maior conforto para assistir, seja qual for o ângulo em relação à TV, e ainda produzem menos reflexos. Já o design minimalista da Sony é capaz de deixar a gente paralisado em frente à TV mesmo com ela desligada.

Os controles remotos são equivalentes. O ponto crucial para definir o terceiro lugar desse Laboratório Digital foi o sistema operacional. A Android TV da Sony oferece uma experiência já um pouco ultrapassada em Smart TVs. O fato de ter que deixar o conteúdo que estamos assistindo para navegar na plataforma conectada incomoda bastante.

O segundo lugar foi ainda mais complicado de decidir; a briga entre as rivais coreanas que apostam em tecnologias diferentes é muito acirrada. De um lado o Quantum Dot; do outro o OLED. Na LG, o sistema WebOS 2.0 é, sem dúvida, o que oferece melhor experiência ao usuário. Já o som super potente de 60 Watts da Samsung é impressionante… quase que dá para dispensar o home theater. As duas possuem tela curva, mas a diferença de imagem foi o que decidiu este Laboratório. Dá só uma olhada:

Tudo bem, as imagens na TV da Samsung são mais equilibradas e ainda trazem mais informações em condições de baixa luz, mas a tela OLED 4K da LG é indiscutivelmente melhor. O brilho é mais alto, o contraste mais chamativo e, ainda mais superior, é o nível de preto. A qualidade da tela combinada com o melhor sistema operacional deu a vitória de hoje à LG OLED 4K.

E você? O que achou da nossa decisão? Tem opinião diferente? Compartilhe seus vereditos com a galera nos comentários! E, se você quiser entender melhor as diferenças entre as tecnologias OLED, Quantum Dot e LED, separamos links com matérias do Olhar Digital que mostram direitinho o que cada uma significa. É super interessante, vale conferir!

Clique aqui e veja o video no site do olhar digital.

As marcas mais famosas

IKEA: Essa é uma empresa trans nacional de origem sueca, especializada em vender móveis domésticos de baixo custo.

GOOGLE: é uma empresa multinacional dos estados unidos que oferece serviços online e softwares. Alex classificou Google como a web site mais visitado e a melhor empresa para se trabalhar.

NESTLÉ: a Nestlé está presente em 194 países do mundo e nos cinco continentes. Ela tem sede fundada na suíça e foi fundada em 1866.

DANONE: fundada na Espanha, é conhecida pelos seus produtos lácteos. Começou como uma pequena empresa de iogurtes.

MICROSOFT: A Microsoft foi fundada em 1975 por Bill Gates e Paul Allen. Posteriormente a empresa viria a dominar o mercado de processadores computadores pessoais. Para se ter idéia do seu tamanho, essa empresa teve um lucro de US$ 18.760 bilhões em 2010.

SONY: trabalhar na produção de aparelhos eletroeletrônico, como aparelhos de DVDs, televisão, som, câmeras digitais. Essa multinacional japonesa também na indústria do entretenimento, produzindo jogos eletrônicos e no cinema, sendo proprietária do estúdio Culumbia Tri-Star Pictures.

VOLKSWAGEN: Essa é a maior montadora de carros do mundo e tem sede na cidade de Wolfsburg na Alemanha. A marca ficou bastante conhecida no Brasil graças a produção de alguns carros: o fusca e o gol, dois dos modelos de veículos mais vendidos e conhecidos do Brasil.

COCA-COLA: O refrigerante mais vendido na maioria dos países, originalmente patenteado como remédio por John Pemberton, foi comprado pela empresa Asa Griggs Candler. Graças as táticas publicitárias da empresa, tornou a coca-cola o refrigerante mais vendido no mundo.

Referencias

http://www.tvi24.iol.pt/economia/negocios/as-marcas-mais-famosas-do-mundo

https://pt.wikipedia.org

É POSSÍVEL COLONIZAR MARTE??

Celular indiano de R$ 15 existe mesmo e ganha data de lançamento

POR NILTON KLEINA 27 JUN 2016 — 09H50
 
 
 
A empresa indiana Ringing Bells chocou o mundo da tecnologia há alguns meses ao anunciar um smartphone que custa 251 rúpias indianas, o equivalente a menos de 15 reais na cotação atual. E parece que o negócio é mesmo verídico: o Freedom 251 acaba de ganhar uma data de lançamento.

Segundo a fabricante, a partir de 30 de junho os consumidores que realizaram a pré-venda já poderão colocar as mãos no dispositivo. Depois que as primeiras unidades forem entregues, outros lotes serão colocados para venda direto no site da empresa.

O dispositivo é destinado a quem precisa de um telefone sem muitos recursos ou mora em locais mais remotos da Índia, como em zonas rurais. Só que muita gente que fez a reserva está mesmo é curioso para saber se o smartphone — com 3G e todos os apps básicos da Google — de fato funciona e "quebra um galho".

Especificações técnicas

  • Tela: 4"
  • Processador: quad-core de 1,3 GHz
  • Memória RAM: 1 GB
  • Armazenamento interno: 8 GB (suporta microSD de até 32 GB)
  • Câmera: 8 MP (traseira) e 3,2 MP (frontal) 
  • Bateria: 1.450 mAh 

Pode isso?

A Ringing Bells enfrentou polêmicas ao anunciar o aparelho por um preço tão baixo, mesmo afirmando que terá prejuízo no negócio caso a venda de dispositivo em volume não seja muito alta e alegando que recebeu benefícios fiscais do governo local. Ela foi acusada de fraude e passou por dúvidas e até investigações, já que ninguém achava possível fabricar e vender eletrônicos a um preço tão reduzido.

"Aprendemos com os nossos erros e decidimos ficar quietos até a saída do produto. Agora, temos um telefone de 4" e dual-SIM pronto para entrega. Me sinto inocentado", disse o CEO da Ringing Bells, Mohit Goel, ao site India Express.

 para vêr na Página TecMundo.

17 CURIOSIDADES CURIOSAS DO MUNDO! [PT33]

Os recordes (e tentativas) de 2016

31.jan.2016 - Mais de 2.000 mulheres trabalharam juntas por seis meses para quebrar o recorde de maior cobertor de crochê do mundo, produzindo uma colcha de 11.148 metros quadrados que poderia facilmente cobrir um campo de futebol. A organização Guinness World Records agraciou a organização Mother India?s Crochet Queens com o título, trata-se de um coletivo de mulheres entusiastas pelo crochê. O cobertor gigante foi desmontado e doado a famílias indígenas carentes.

Imagem: Reprodução/Facebook/Mother India's Crochet Queens

 e veja no site da UOL.

Rumor: Google planeja começar a fabricar smartphones

LEONARDO PEREIRA  27/06/2016 07H12

O Google pode estar prestes a aumentar a competitividade no mercado de smartphones com a fabricação de aparelhos próprios. Fontes disseram ao The Telegraph que a companhia tem discutido com operadoras sobre a possibilidade de lançar um modelo com fabricação caseira.

Uma dessas fontes, que o jornal diz ter credenciais “sênior”, garante que o smartphone do Google será colocado à venda até o final do ano.

A intenção da companhia não é acabar com parcerias com marcas como Samsung, que é uma das principais responsáveis pelo bom posicionamento do Android no mercado. O Google também não espera interromper a linha Nexus, que é fabricada por empresas como LG e Huawei.

O negócio é trabalhar pela desfragmentação do sistema operacional. Uma das reclamações frequentes em relação ao Android é que a falta de controle do Google acaba criando uma situação em que só a minoria dos usuários consegue atualizações de forma eficiente. Em alguns casos, leva meses até que fabricantes disponibilizem versões mais novas do Android em seus aparelhos - isso quando disponibilizam.

O Google estaria de olho no modelo de negócios seguido pela Apple, que controla hardware e software, o que possibilita distribuir atualizações de forma mais plana.

Segue o link e veja no Olhar Digital:

 

 

Descubra a química que existe dentro do seu smartphone

18/06/2016 19H00

Neodímio, Ítrio, Disprósio… nomes bastante estranhos que, acredite, estão diariamente aí, na palma das suas mãos - mais precisamente, no seu smartphone. Quer saber o que química tem a ver com tecnologia? Tudo! Talvez o Lítio e o Silício sejam os elementos mais conhecidos de nós, leigos em química. Mas a grande surpresa é que, ao olhar para uma tabela periódica como esta, dos 83 elementos não radioativos, pelo menos 70 deles podem ser encontrados em diferentes modelos de smartphones. Isso mesmo, 84% dos elementos estáveis.

De toda química envolvida, a principal reação está nas baterias. Atualmente, os smartphones usam baterias de íons de Lítio (Li) - compostas por Óxido de Cobalto (Co) e Lítio (Li) como pólo positivo e o Carbono (C) em forma de grafite como eletrodo negativo. A parte externa é geralmente de Alumínio (Al). Mas baterias mais modernas usam também outros metais em suas composição.

Um smartphone pode conter até 62 tipos de metais diferentes: Alumínio (Al), Cobre (Cu), Prata (Ag), Ouro (Au), Níquel (Ni), Cobalto (Co), Ítrio (Y) e Titânio (Ti) são os mais comuns. Mas um grupo específico, lá na penúltima linha da Tabela Periódica é o que vem chamando atenção recentemente; são os "metais de terras raras”. Trata-se do grupo dos Lantanídeos, elementos usados em novos materiais que proporcionam alterações das características físicas, químicas ou mecânicas enormes mesmo quando usados em quantidades muito pequenas.

No interior do telefone, o Cobre (Cu), o Ouro (Au) e a Prata (Ag) são os três metais principais de toda microeletrônica embarcada. No microfone e também em algumas ligações elétricas, a gente encontra boa quantidade de Níquel (Ni). Já elementos como o Praseodímio (Pr), Neodímio (Nd) e o Gadolínio (Gd) são usados nos pequenos imãs dos alto-falantes. E, nossos aparelhos não seriam capaz de vibrar sem a adição do Disprósio (Dy) e do próprio Neodímio (Nd); outros dois metais terras raras…

O Silício (Si), que revolucionou a indústria eletrônica e microeletrônica a partir dos anos 70, ainda é o principal componente da maioria dos semicondutores e material básico para a produção de transistores para chips. Ele está lá, no processador do seu smartphone em abundância.

A tela do seu smartphone também só é sensível ao toque graças à química! Uma mistura de Óxido de Índio (In) e Óxido de Estanho (Sn) é utilizada em uma película transparente que conduz eletricidade; é assim que funciona. Muitas das milhares de cores vermelhas, azuis e verdes que a gente enxerga tão vívidas na tela dos smartphones são produzidas graças às pequenas quantidades de metais terras raras usados na tela dos dispositivos. Entre eles, podemos destacar o Lantânio (La), o Térbio (Tb), o Praseodímio (Pr), o Európio (Eu), o Disprósio (Dy) e o Gadolínio (Gd).

Cá entre nós, os nomes é que podiam ser melhorzinhos, não?

Por último, a química mais próximas das nossas mãos está na carcaça dos aparelhos; na parte externa do smartphone. O grande desafio da indústria é descobrir materiais cada vez mais resistentes e ao mesmo tempo com menor espessura. Muitos smartphones têm acabamento em plástico; nesses casos, o Bromo (Br) e o Níquel (Ni) podem ser adicionados para reduzir interferências eletromagnéticas. Os de metal, normalmente apostam no Alumínio (Al).

Se você continua curioso e quer conhecer um material extremamente resistente, flexível, com excelentes propriedades térmicas, impermeável e com condutividade elétrica 100 vezes mais rápida que o cobre; confira o link que separamos logo abaixo do vídeo desta matéria no nosso site e sabia mais sobre o promissor Grafeno - um cristal bidimensional de átomos de carbono que promete revolucionar a tecnologia. Descubra!

Siga o link e assista o video: 

http://olhardigital.uol.com.br/video/descubra-a-quimica-que-existe-dentro-do-seusmartphone/59463

Invenções que são brasileiras, mas ninguém sabe

O brigadeiro: Brigadeiro é um posto do militar. Durante as eleições de 1945, o candidato Eduardo Gomes, em suas campanhas, distribuía um doce feito com leite condensado, chocolate em pó, manteiga. No final das contas o candidato não ganhou as eleições, mas o doce ganho o nome de seu posto, em sua homenagem.

A urna eletrônica: Em 1989, o desembargador Carlo Prudêncio inventou a urna eletrônica. Com o tempo ela foi sendo aperfeiçoada e hoje é usada em  diversos países, durante as eleições, assim como no Brasil.

O avião: no começo do século passado, o brasileiro Santos Dumont, na cidade de paris, foi o primeiro a conseguir fazer um objeto mais passado que o ar voar por mais de 100 metros. Muitos tentaram roubar o seu credito, mas a historia dá esse titulo a ele.

O relógio de pulso: mais uma invenção de Santos Dumont, foi pensada durante seus vôos de avião. Ele pensou em uma alternativa para facilitar marca os tempos de vôo, pois era mais difícil olhar as horas com o relógio de bolso, mas com um relógio preso ao pulso essa tarefa se tornava mais fácil.  

O walkman: Nos anos 70, o engenheiro germano-brasileiro consegui pensar em um aparelho reprodutor de áudio portátil. Antes dessa invenção, só se podia ouvir musica em grandes aparelhos de som. Assim ,essa experiência ficava restrita, não se podia ouvia suas musicas em todos os lugares que fosse.

Siga o link e assista o video do canal Fatos Desconhecidos.

 https://www.youtube.com/watch?v=dMqgFHrrLSk

 

O que fazer se acontecer uma guerra mundial

O que fazer se acontecer uma guerra mundial

A primeira cosa é sair da cidade e ir para a zona rural, pois em períodos de guerras as cidades são os lugares mais cobiçados e propícios a ataques, na zona rural será menos provável de sofre ataques.

Estando fora do perímetro urbano, é necessário estabelecer uma comunidade simples, iguais as sociedades antigas e indígenas, em que cada um fica responsável por uma tarefa. A própria precisarar ser alto suficiente, produzir o próprio alimento: plantar, caçar e pescar.

Também é uma boa alternativa procurar uma forma de entretenimento. De preferência leia livros, já que nessa comunidade talvez não tenha energia elétrica. Assim fica inviável a possibilidade de entretenimentos como ver televisão e jogar vídeo games.

Siga o link e assista o video do canal Fatos Desconhecidos.

https://www.youtube.com/watch?v=13ca6pQE_Bs

 

Equipe:

Jun. 21, 2016

Aula de LI

Lucas Queroz
Thiago José
Wesley Natanael
Danilo Queiroz

Prof.: Zildomar Félix